Dr. Sebastião Ferro de Moraes – Presidente do Sicoob Credigoiás

Cooperativista nato, sempre chamando os familiares e amigos para ações com resultados comuns, o médico Sebastião Ferro de Moraes, quando presidia a Associação dos Hospitais do Estado de Goiás (AHEG), em 1996, tomou conhecimento do Cooperativismo de Crédito, que vivia uma nova etapa no País. Interessado, buscou mais informações, leu sobre o assunto e chamou os companheiros da entidade para discuti-lo, em especial sobre formas de financiamento, diante da crise no setor, com a maioria dos hospitais endividados. Foram várias reuniões, o grupo aumentou, a partir de quando muitos de seus colegas aprovaram a ideia e manifestaram o desejo de participar de uma instituição com aquelas características, para atender as expectativas das empresas de saúde e dos profissionais médicos.

A proposta avançou, criaram a Cooperativa de Crédito Mútuo dos Médicos das Microrregiões de Goiânia e Anápolis Ltda. (Credigoiás Cred-Med) e, por inexperiência, enfrentaram muitas dificuldades, inclusive a existência de uma instituição financeira com idênticos fins, a Unicred. Mudaram a propositura inicial, pois os hospitais, além do endividamento, tinham alta inadimplência e não poderiam dar garantia aos empréstimos.

Em 2011 o Banco Central aprovou a mudança de razão social, passando a Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Goiânia e Microrregiões Ltda. (Sicoob Goiânia); o ingresso na instituição deixou de ser restrito à área da saúde; e para buscar um mercado mais abrangente decidiu usar o nome da Capital. Em 2012 tinha 604 associados, crescimento de 66% no quadro social em relação ao ano anterior. Nesse ano desenvolveu uma campanha de marketing para divulgar seus produtos, serviços e as vantagens de ser cooperado, utilizando vários tipos de mídia, e veiculação de publicidade no rádio e na televisão. Ao mesmo tempo, a ação se ampliou à comunidade, resultando na criação do primeiro Posto de Atendimento ao Cooperado (PAC), no Jardim América, levando mais serviços aos cooperados do Hospital e Maternidade daquele setor, cujos profissionais já movimentavam com a Cooperativa, e à população.

Como surgiu

Os debates sobre o Cooperativismo de Crédito surgiram nas reuniões da AHEG quando se discutia a situação dos hospitais e formas de resolver a situação deles. Uma instituição financeira diferenciada do sistema que todos utilizavam aguçou a curiosidade dos presentes, que buscaram mais informações e passaram a conhecer a história, os pioneiros, os modelos existentes, os países onde mais se desenvolveu e como funcionava. A sugestão inicial era reunir apenas os médicos, quando formaram um grupo de 20 profissionais da área, criaram a Cred-Med e depois convidaram donos de hospitais, clínicas, laboratórios e colegas de áreas afins, como enfermeiros, farmacêuticos etc.

As primeiras Assembleias Gerais Ordinária (AGO) e Extraordinária (AGE) foram realizadas no dia 31 de março de 1997, quando já tinha 57 cooperados. A AGO discutiu a prestação de contas do exercício do ano anterior e elegeu o Conselho Fiscal. Na prestação de contas, o presidente Nabyh Salum informou que em 31 de dezembro de 1996 a Cooperativa ainda não tinha personalidade jurídica, até então não recebera a autorização para funcionar e que, em função dessa circunstância, não havia balanço a ser apreciado. Apresentou apenas os números de integralização de capital e novas adesões ocorridas no período: as receitas financeiras somaram R$ 169,52; despesas pré-operacionais, R$ 1.535,56; e o capital, integralizado até 31.03.1997, R$ 34.373,10, valor em Ufir.

Inaugurada no dia 28 de abril, a Cred-Med tinha na época 110 cooperados. “Fundamos a Cooperativa para somar a força dos médicos. Tendo crédito fácil a medicina será mais acessível a todos”, disse Nabyh, explicando que a instituição nasceu porque o médico, por excelência, é um prestador de serviços, produtor e consumidor. Tendo um “banco seu” vai gastar menos, os insumos médicos vão custar menos e terá dividendos sobre as suas ações na Cooperativa. Afirmou que Goiânia possuía a melhor medicina depois de São Paulo e era referência em muitas especialidades. “O poder científico já o temos, caminhamos para conquistar o poder econômico. Só assim seremos respeitados”, completou.

Mudanças e evolução

Natural de Porto Velho, RO, onde nasceu no dia 1º de maio de 1971, Aldenir Brasil de Souza veio estudar em Goiânia, aproveitando que o irmão fazia Engenharia Civil e já morava na cidade. Começou, mas não concluiu, o Curso de Processamento de Dados da Faculdade Anhanguera. Em 1993 ingressou na Unicred, nas áreas de informática e financeira, onde ficou até abril de 2002. No mês seguinte foi contratado pela Credigoiás Cred-Med, também na área de informática, e começou a ocupar espaço. A Cooperativa não cobrava taxa de seus cooperados porque era moroso debitar manualmente e ele desenvolveu um sistema que suprir essa necessidade. Depois, atuou nas áreas de cobranças e financeira.

A Cred-Med viveu um período de estagnação, sem crescer. Aldenir assumiu a Gerência em novembro de 2013, imprimindo nova dinâmica e os resultados foram aparecendo, reconhecidos pela Central, que enviou uma correspondência ressaltando esse fato. Em agosto de 2015 teve uma promoção: assumiu a vice-presidência da Cooperativa, cargo executivo. Os gerentes tem uma meta de 10 novas contas correntes por mês.

Fachada do Sicoob Goiânia

Os dados mostram a evolução do Sicoob Goiânia: em janeiro de 2014 o Patrimônio Líquido era de 6,4 milhões de reais, saltou para R$ 9,3 milhões em janeiro de 2015, e para R$ 14,1 milhões em janeiro de 2016. A Carteira de Empréstimos, que contava com 8,4 milhões de reais em janeiro de 2014, deu um salto para R$ 27 milhões em janeiro de 2016.

A expansão da Cooperativa foi feita de forma lenta, começando com um caixa avançado no Hospital e Maternidade do Jardim América, num espaço pequeno, apenas para pagamentos e depósitos. A situação perdurou por 10 anos. Houve reclamações e a Central exigiu a sua regularização, para transformá-lo em Ponto de Atendimento. O Sicoob Goiânia decidiu fazer uma consulta à população dos setores próximos, que estava carente de uma instituição financeira, para saber das expectativas dela quanto a uma agência. O potencial era expressivo e a receptividade grande, o que motivou a decisão por abri-la no Jardim América, em 5 de fevereiro de 2014, com excelentes resultados. Em dezembro de 2015 o resultado positivo foi de R$ 81,2 mil.

Uma nova oportunidade de crescimento surgiu no segundo semestre desse ano, ao levar a Cooperativa para Senador Canedo, a 18km de Goiânia, com uma população de 100.367 habitantes, conforme o Censo de 2015. O atual presidente, Sebastião Ferro de Moraes, com sua Diretoria, acompanhados do presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas local, Magno Silvestre da Silva, procurou o prefeito Misael de Oliveira, para informar da intenção de abrir uma agência, e propôs uma reunião para falar sobre o sistema cooperativo. Foi agendado encontro para o Colégio Estadual. Na data, compareceram 20 empresários, que se mostraram interessados e já queriam aderir. No dia seguinte, os dirigentes alugaram uma sala no shopping da cidade, onde instalaram o Ponto de Atendimento, inaugurado no dia 3 de novembro.

De início, o Sicoob Goiânia encontrou alguma dificuldade, pois existiam na cidade quatro agências bancárias, mas prevaleceu o diferencial cooperativista para atingir a população: atendimento personalizado, visita do pessoal e malote, o que aumentou a aceitação. Outro concorrente no shopping era a agência lotérica, com filas enormes para pagamentos, situação que foi se invertendo: as pessoas começaram a descobrir a Cooperativa, quando o movimento cresceu muito, chegando a preocupar os seus dirigentes, pois o foco sempre é o cooperado. Em dezembro de 2015 o resultado foi muito positivo.

Deixe uma resposta

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.