Mais importante documento identificado no levantamento sobre a família Naves do Brasil, o inventário de João de Almeida Naves permitiu ter a relação de seus filhos e de seus bens, e a situação que desfrutava naquele período

Primeira página da certidão do ‘Auto do Inventário de João Almeida Nave, 1715’ – O documento completo pode ser visualizado no final desta postagem

Depois de dois meses de leitura, interpretações e consultas a dicionários e especialistas, concluímos a organização da relação de bens do inventário de João de Almeida Naves, o primeiro Naves do Brasil. A partir de uma certidão que o primo Rubens Naves, advogado em São Paulo, obteve no Arquivo Público desse Estado, um documento extenso, dedicamo-nos a decifrar algumas palavras e agora temos condições de repassar a todos o que organizamos, em especial a relação de bens dele. Pela quantidade de escravos dá para notar o poder econômico que ele tinha.

Preferimos organizar os dados a partir da correção da ortografia do documento que foi datilografado a partir de um processo de 1715, pois sabemos a dificuldade de quem, diligentemente, transpôs, para a certidão, o que conseguiu ler e entender. Às vezes, são correções simples, como balança (balansa), libra (livra), braço (brasso), peso (pezo), cinco (sinco), bacia (bassia) etc. Outras, mais complicadas: embaraçadeira, ao se referir a uma peça da espingarda, quando no dicionário está abraçadeira. Ou de interpretação: algodão grosso (escreveu algodão groto), colchões (colchoins), lençóis (lansóis), índios (almas de gentio), moça solteira (mosa solta) etc. De outras expressões não foi possível saber o significado, como colo de prata, traçado com punho liso, negras coricos etc. ou mesmo palavras como alaginita e podeins, que o próprio paleógrafo não conseguiu identificar. Também, nem sempre o valor por extenso correspondia ao numeral. No final, coloquei o significado de várias palavras, a maioria extraída do Google, como contribuição a essa interpretação dos dados.

Com o tempo e repassando o documento a mais pessoas teremos condições de traduzir e escrever, corretamente, na linguagem atual, o significado dessas palavras, permitindo uma maior compreensão desse importante documento

A certidão confirmou o único casamento dele e que o casal teve oito filhos. Quanto aos bens relacionados, todas as peças foram vistas e analisadas pelos avaliadores do Juizado Ordinário e dos Órfãos da Vila de Parnaíba, o que nos levou a suprimir a expressão “foi visto e avaliado pelos avaliadores deste Juízo” que vinha antes de cada valor indicado. E também quanto à idade dos escravos, que é aproximada, suprimimos a referência a “de (…) anos, pouco mais ou menos”.

É um documento preciosíssimo, um dos principais já localizados e que, por isso, merece um novo olhar, uma discussão mais ampla, para a sua divulgação, na revista e no livro sobre a família que pretendemos editar.

Boa leitura a todos.

O detalhamento do inventário de João de Almeida Naves foi publicado no boletim “Notícias de Naves”, de Goiânia, GO, edição nº 204, de 03.03.2011.

One thought on “Inventário de João de Almeida Naves

Deixe uma resposta

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.