Os varões assinalados

“Os Va­rões As­si­na­la­dos” re­cria o epi­só­dio his­tó­ri­co da Re­vo­lu­ção Far­rou­pi­lha — le­van­te da eli­te do Rio Gran­de do Sul con­tra a cor­te bra­si­lei­ra

A re­vi­são da his­tó­ria do Rio Gran­de do Sul a par­tir de ano­ta­ções ex­traí­das de do­cu­men­tos ofi­ci­ais, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te do la­do que per­deu a ba­ta­lha fi­nal, é a ba­se do li­vro “Os Va­rões As­si­na­la­dos”, ro­man­ce do es­cri­tor ga­ú­cho Ta­ba­ja­ra Ru­as so­bre a Guer­ra dos Far­ra­pos. Mais lon­ga guer­ra ci­vil da his­tó­ria bra­si­lei­ra, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Re­vo­lu­ção Far­rou­pi­lha — far­ra­pos ou far­rou­pi­lhas eram cha­ma­dos to­dos os que se re­vol­ta­ram con­tra o go­ver­no im­pe­ri­al —, acon­te­ceu de 1835 a 1845, na­que­le Es­ta­do, e fo­ram qua­se oi­to anos inin­ter­rup­tos de lu­tas. Na ver­da­de, um dos mui­tos mo­vi­men­tos li­be­ra­is que sa­cu­di­ram a Re­gên­cia na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo 19, foi de fa­to a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia re­pu­bli­ca­na em ter­ri­tó­rio do Bra­sil.

O li­vro tra­ça um ro­tei­ro que in­se­re o lei­tor no mo­men­to his­tó­ri­co des­se le­van­te das clas­ses do­mi­nan­tes ga­ú­chas con­tra a au­to­ri­da­de po­lí­ti­ca da Cor­te bra­si­lei­ra, com crí­ti­cas à ação dos go­ver­nan­tes de en­tão — na re­gi­ão não ha­via uma es­co­la pú­bli­ca, uma pon­te cons­tru­í­da ou uma es­tra­da em bo­as con­di­ções. Num lan­ce ou­sa­do, a in­sur­rei­ção cul­mi­nou com a pro­cla­ma­ção, em 1836, da Re­pú­bli­ca Rio-Gran­den­se (Re­pú­bli­ca do Pi­ra­ti­ni), pe­lo in­tré­pi­do ge­ne­ral far­rou­pi­lha An­tô­nio de Sou­za Net­to, gran­de es­tra­te­gis­ta mi­li­tar, co­man­dan­te dos va­len­tes 300 in­te­gran­tes do Cor­po de Lan­cei­ros Ne­gros e o se­gun­do ho­mem na hi­e­rar­quia mi­li­tar des­se mo­vi­men­to.

Li o li­vro, e gos­tei mui­to, por in­di­ca­ção de um pri­mo, Nil­son Na­ves, do Pa­ra­ná, a par­tir de um exem­plar que me foi pre­sen­te­a­do por ou­tro pri­mo, o ad­vo­ga­do Ru­bens Na­ves, go­i­a­no há anos ra­di­ca­do em São Pau­lo, co­mo par­te da pes­qui­sa que fa­ço so­bre a fa­mí­lia Na­ves. O ge­ne­ral An­tô­nio de Sou­za Net­to é te­tra­ne­to do por­tu­guês Jo­ão de Al­mei­da Na­ves, que che­gou ao Bra­sil em 1660, apro­xi­ma­da­men­te.

Bem es­cri­to, re­la­ta de­ta­lhes in­te­res­san­tes, ao res­ga­tar fi­gu­ras im­por­tan­tes des­se mo­men­to, re­co­lo­can­do os fa­tos e dan­do uma no­va di­men­são ao epi­só­dio. O que de­ve­ria ser fei­to com tan­tos ou­tros mo­men­tos da his­tó­ria na­ci­o­nal, e mais es­pe­ci­fi­ca­men­te de Go­i­ás, que é pou­co co­nhe­ci­do. Na ver­da­de, nem he­róis te­mos, por pu­ro des­co­nhe­ci­men­to de nos­sa his­tó­ria. Fal­ta, in­clu­si­ve, um li­vro con­tan­do, de for­ma di­dá­ti­ca, a his­tó­ria de Go­i­ás, do iní­cio aos di­as atu­ais, nu­ma lin­gua­gem aces­sí­vel e cla­ra, co­mo há so­bre ou­tros Es­ta­dos bra­si­lei­ros.

Nes­se as­pec­to, o Rio Gran­de do Sul ser­ve de exem­plo, pois se co­nhe­ce de­ta­lhes de gran­des ins­tan­tes da­que­le Es­ta­do, in­clu­si­ve de for­ma ro­man­ce­a­da. Re­vi­sa o con­cei­to de que o bra­si­lei­ro é pa­cí­fi­co, até aco­mo­da­do, quan­do não é ver­da­de, di­an­te dos mui­tos mo­vi­men­tos de re­vol­ta, mui­tos ain­da pou­co co­nhe­ci­dos, e até mes­mo con­ta­dos só na vi­são ofi­ci­al, dos ven­ce­do­res.

Na apre­sen­ta­ção do li­vro, o es­cri­tor Pau­lo Se­ben, dou­tor em Te­o­ria Li­te­rá­ria pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca do Rio Gran­de do Sul, lem­bra as mui­tas guer­ras lon­gas e cru­en­tas tra­va­das no pró­prio Es­ta­do des­de o sé­cu­lo 18, com o des­man­te­la­men­to das mis­sões je­suí­tas, pas­san­do pe­la Guer­ra da Cis­pla­ti­na (1825-1828), a Guer­ra dos Far­ra­pos, a Guer­ra do Pa­ra­gu­ai (1864-1870), o epi­só­dio dos Muckers (1874) e a Re­vo­lu­ção Fe­de­ra­lis­ta no sé­cu­lo 19, ou os mo­vi­men­tos fe­de­ra­lis­tas da vi­ra­da do sé­cu­lo 19 pa­ra o 20 tam­bém em ou­tras re­gi­ões. Re­gis­tra que fo­ram pre­do­mi­nan­te­men­te ga­ú­chas as tro­pas que mas­sa­cra­ram os re­bel­des do Con­tes­ta­do (1912-1916) e de Ca­nu­dos (1896-1897), que tri­lha­vam o Bra­sil na Co­lu­na Pres­tes (1925-1927), que ven­ce­ram a Re­vo­lu­ção de 30 e a Re­vo­lu­ção Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta de 32.

Ini­ci­al­men­te nem to­dos eram re­pu­bli­ca­nos e se­pa­ra­tis­tas, mas os acon­te­ci­men­tos e os no­vos ru­mos do mo­vi­men­to con­du­zi­ram a es­se des­fe­cho. O Rio Gran­de do Sul es­ta­va es­go­ta­do pe­la se­quên­cia de guer­ras, a úl­ti­ma das qua­is ti­nha si­do a cam­pa­nha da Cis­pla­ti­na, com as es­tân­cias e char­que­a­das pro­du­zin­do pou­co, com os re­ba­nhos es­go­ta­dos e sem que o Im­pé­rio bra­si­lei­ro pa­gas­se as in­de­ni­za­ções de guer­ra, ape­sar de lo­cu­ple­tar-se com as ex­por­ta­ções de ca­fé e açú­car do cen­tro do Pa­ís. Os im­pos­tos so­bre o ga­do em pé e so­bre a ar­ro­ba de char­que — prin­ci­pa­is pro­du­tos da Pro­vín­cia — eram es­cor­chan­tes.

O li­vro opor­tu­ni­za co­nhe­cer pas­sa­gens fan­tás­ti­cas da his­tó­ria bra­si­lei­ra, des­nu­dan­do seus lí­de­res, com su­as opi­ni­ões, seus ide­ais e in­com­pre­en­sões da par­te da cor­te bra­si­lei­ra. Mos­tra as con­tra­di­ções e dú­vi­das dos lí­de­res des­se mo­vi­men­to mi­li­tar, os ga­nhos e per­das dos dois la­dos, e que a guer­ra be­ne­fi­ciou de­ter­mi­na­dos se­to­res e lí­de­res, in­clu­si­ve dos re­vol­to­sos. Nem to­dos os lí­de­res re­vo­lu­ci­o­ná­rios eram fa­vo­rá­veis à Re­pú­bli­ca, e fo­ram in­du­zi­dos pa­ra es­sa for­ma de lu­ta fra­tri­ci­da por de­ci­sões nem sem­pre unâ­ni­mes. Os ide­a­lis­tas que­ri­am uma re­pú­bli­ca ple­na de jus­ti­ça so­ci­al, sem tra­ba­lho es­cra­vo e com en­si­no am­plo e obri­ga­tó­rio.

Ta­ba­ja­ra re­di­men­si­o­na al­guns per­so­na­gens de­ter­mi­nan­tes des­se pe­rí­o­do, co­mo o re­gen­te, pa­dre Di­o­go Fei­jó, que es­co­lheu um in­ter­ven­tor que, já sa­bia, não bus­ca­ria con­ci­li­ar os la­dos; os ge­ne­ra­is Ben­to Gon­çal­ves, gran­de lí­der far­rou­pi­lha, e Ben­to Ma­nu­el, es­te jo­gan­do dos dois la­dos, e am­bos, ao mes­mo tem­po, jun­tos e dis­tan­tes, ad­mi­ran­do e pre­ju­di­can­do um ao ou­tro ao lon­go des­sa ba­ta­lha; o ca­pi­tão Gi­u­sep­pe Ga­ri­bal­di, co­man­dan­te na­val da Re­pú­bli­ca Pi­ra­ti­ni; e até mes­mo o en­tão Ba­rão de Ca­xi­as, ge­ne­ral Lu­iz Al­ves de Li­ma e Sil­va, já con­sa­gran­do a sua car­rei­ra mi­li­tar.

É uma li­ção de his­tó­ria, que per­mi­te às no­vas ge­ra­ções uma ou­tra vi­são des­ses epi­só­di­os, in­se­rin­do-os na his­tó­ria do Pa­ís nu­ma no­va pers­pec­ti­va, man­ten­do as con­tra­di­ções, e re­a­fir­man­do a de­ter­mi­na­ção e a lu­ta do bra­si­lei­ro.

É uma no­va lei­tu­ra da his­tó­ria, que fa­zia fal­ta.

Artigo publicado pelo “Jornal Opção”, de Goiânia, GO, edição nº 1.784, de 13.09.2009, Pág. A-4 do caderno “Opção Cultural”.

Deixe uma resposta

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.